domingo, 4 de julho de 2010

Um homem...

No estilo de Londres Vitoriana, apartamento abarrotado pelo aroma dos livros desorganizados em cada prateleira do amplo escritório ao oeste do apartamento alugado, vive aquele homem sarcástico, veroz, com humores secos, fumante dos mais sofisticados charutos, apreciador dos melhores Wiskys do mundo, sem dinheiro esbanjador para as outras coisas da vida, gastava-se com suas esbanjações. Era magro, alto, vivia em constantes depressões existenciais, fruto de sua solidão adorada, jamais trocada por compania fixa, que acabara com seu tempo de trabalho. Escritor paulista, com ares parisienses e londrinos, caseiro por natureza convencional da situação, passava horas em frente ao computador, posto na vasta mesa de madeira pesada, escura, repleta de papéis e outras bugigangas de escritório, à frente de uma repleta prateleira de livros, que iam de Conan Doyle a Lispector.
Sair de casa era uma ação quase desnecessária, trabalhara muito, cumprindo seu dever mesmo sem tê-lo, muitas vezes. Sua empregada estava sempre pronta, sempre ao seu lado, era ela que preparava o café de todas as manhãs, o almoço leve, e deixara todas as tardes o café fresco na cozinha, o jantar era por conta dele, que ficava ainda mais sozinho nas noites escuras da capital paulista. Seu encontro com os boêmios não era assim tão frequente, mas sempre que o convidavam, aproveitava. Nunca pagava a conta, mesmo quando a mesma extrapolava os limites racionais de um alcoólatra, que não era, mas andava com.
Escrever artigos nunca fora tão difícil assim, o problema era vendê-los para o jornal. –Ah se tivesse nascido na época do Império, tudo seria mais fácil. Exclamava em suas depressões contínuas de desgostos com a vida. Buscara sempre alternativas para estar um pouco mais feliz, só um pouco. Sua tv era aliada de batalhas a noite, vendo séries de renomes e estilos iguais ao seu, era o conforto das desilusões que tais modos de vida o causavam, é bom ver que alguém faz as mesmas coisas que ele, ou ele as mesmas que os personagens americanos. É uma troca que só ele recebe as informações, o personagem, não.
O que poderia fazer para estar melhor nos dias da profunda vastidão de sentimentos indesejáveis? Antidepressivos? Compania? Era o doce amargo sabor da vida que escolhera para si, que passara horas imaginando ter, e assim foi.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Família brasileira

“ Todo o processo de mudança na organização das famílias que acompanha o aburguesamento da sociedade moderna, divórcio, nova parentela oriunda dos filhos de outros casamentos, por exemplo, ou uma maior liberalidade dos costumes e da vida sexual que, no conjunto, implique a modernidade, recebe a designação de nova família”

Este trecho, parte integrante de um artigo do livro “ Família brasileira - a base de tudo”(Ver referências no final deste artigo), deixa claro o conceito de nova família, adequada as novas transformações culturais que vem sendo desenvolvidas com grande ênfase a partir da década de 1990.
Vale ressaltar que certas afirmações não podem ser consideradas como relevantes, a exemplo do “aburguesamento” citado no trecho. O que vejo como progresso na sociedade é a mudança de hábito, aliada as novas culturas, novos pensamentos, crescimento intelectual das pessoas para com a perda gradual dos preconceitos, o avanço das tecnologias, dentre outras, menos o aburguesamento da sociedade moderna, que na verdade, é inexistente.
Burguês é um conceito que se alia aos pensamentos da esquerda tradicional e moderna, que deveria ser banido de estudos atuais, ainda mais no campo social, que visa uma nova maneira de pensar o mundo, sem conservadorismo, sem nenhuma ideia atrelada ao comunismo, ou seja, algo que não esteja diretamente relacionado aos pensamentos extremistas de direita ou esquerda, e sim a conceitos que satisfaçam as necessidades reais da sociedade, sem demagogias ou palavras que se levem a ela.
O crescimento do capitalismo se deve ao fato das novas vertentes de aperfeiçoamento profissional, que levam a economia a crescer, o que é normal em qualquer país que vigore este sistema de governo, portanto, usar termos relativos ao aburguesamento, é completamente irracional, tendo em vista as conjunturas do processo natural de um sistema político e econômico. Trabalhar com a realidade do sistema é racional, necessário e preciso. Tentar mudar o sistema é completamente absurdo e é exatamente isso que barra os progressos, os avanços nas áreas sociais.
A nova família brasileira, é o retrato da modernidade, do pensamento atual da sociedade, que vem se modificando frente aos novos avanços em diversas áreas do conhecimento e aplicação do mesmo. Exemplos podem ser dados a partir da descompactuação gradual das pessoas frente à homossexualidade, preconceitos raciais e sociais, dentre outros.

Referências bibliográficas: O trecho do início deste post: "Ajustando o foco das lentes: Um novo olhar sobre a organização das famílias no Brasil", Livro: Família Brasileira - A base de tudo, UNICEF, impresso em março de 2000.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Bon goût

Não me preocupo mais com nada, estou começando a viver, nem sei se o termo é reviver, não tem como viver algo que nunca existiu, pleonasmo.
Agora sim, tudo encaminhado, vida realmente sendo vivida, sem preocupações com o mundo lá fora, profissional rotina que destrói o ser humano racional, transformando-o em cidadão do poder. Os amigos, base social, transformam vidas, cada palavra, por menor que seja, vale muito, cada minuto desta incrível nave terra, cheia de natureza, como diz Lee, em uma de suas obras consagradas pelos mestres.
Se tudo fosse válido, nada valeria para a felicidade que chega derrepente, sem pedir licença, sem ao menos saber se você a quer. É bom jogar tudo para o alto e naturalmente mudar de ideia, de planos, só um escroto não pensa, não muda, não reage ao convívio natural, verdadeiro, que vale a pena. Hoje tomo quentão, aplaudindo o dia que passara, que vivera a angustia de la fin de semaine e resolver tudo em apenas alguns minutos, na verdadeira vida felicitada, nos prazeres não carnais, da vida, que vale a pena ser vivida.

Saber viver preciso é, tudo passa como uma bala no tiroteio carioca, balas voam como o tempo no relógio londrino pulando sobre os trabalhistas incompetentes. O frio chega, logo se vai neste tropical intenso, inferno sobe a Terra, junta-se aos demônios que convivem nesta sociedade alternativa, o tropical fica infernal, no calor humano da culatra dos porcos. É inacreditável, só aqui.
O frio e a chuva caracterizam alguns poucos redutos da Europa brasileira, salvadores da pátria nacional, conhecidos pelas elegantes esquinas, compostas por gente-gente. Este é o belo do Brasil, do viver.
Veranistas enchem chão, enchem mato, enchem água, o que será pior, o verão ou veranistas?
Continuo no meu reduto técnico europeu, vendo a França na minha frente, seguindo para Londres, esmagando os trabalhistas ingleses, en lisant un livre dans le train des émotions du bon goût, analisando o futuro próximo do bon goût que invade diariamente meus devaneios reais.

domingo, 27 de junho de 2010

Eu sei!

Foi ouvindo o som daquela maldita canção que pensei que tudo tivesse acabado, seria bom, como seria, bom seria. Mas minha frustração foi maior do que o prazer momentâneo da luxuria não satisfeita. A decepção do passado não é suficiente para encher os copos derramados de lágrimas que destroem as esperanças do futuro, presente. Nem beijos, nem carícias me trazem de volta a inspiração que não tive hoje, posso não ter amanhã, nem depois. Tudo é incerto, estes escritos são incertos, a singularidade e pluralidade são incertas, ao contrário do sucesso que contei em devaneios-a vida é singular-.
Tous les jours escrevo sem pensar, sem saber se vale a pena publicar, pra que?
O que hoje é certo amanhã pode ser ilegal, imoral, certo...errado! Eu não me preocupo, não mesmo, quero escrever, se não quiser, não quero.

Um bom ano



Naquele casebre no meio da falsa montanha brasileira, São Paulo, 2 de dezembro de 2010, era o auge do sucesso consagrado de uma vida pronta para ser enfrentada. Tudo resolvido, faculdade, trabalho, vida pessoal, o ano seguinte seria fantástico aos olhos do dono individual, não mais individual. Aqueles verdes campos transmitiam tudo o que alguém poderia querer em tempos de festa, a saudade que não precisara voltar dos tempos ruins passados e vividos com sofrimento, tristes dias, choros internos intermináveis, patéticos. Era o sol que nascia entre as nuvens de um dia nublado, o instrospecto de Lispector florescia na nova vida adulta, onde a chuva e o frio são vistos exatamente como o queria, de uma forma feliz, tranqüila, que retrata o poder estimado por anos de fracasso, aliado ao café interminável da xícara branca velha, que passa a ser o passado jamais relembrado, ou ainda nos devaneios de sucesso que retrocedem com lembranças fúteis da adolescência frustrada de um jovem qualquer, preocupado com o amanhã, se esquecendo do hoje, vivendo na vanguarda dos tempos, a frente dos condenados intelectuais.
É a manhã escura com a caneca na mão direita, o cigarro na esquerda e o gozo eterno da nova vida. Um bom ano!

A vingança é um prato que se come quente

Em minha sala um lavrador de pés expostos ao vento, chinelo velho, camisa amassada da gaveta, não usara social desde o casamento infeliz de sua filha, pede licença, com sotaque de sinhor vem se aproximando de minha mesa. Senta-se. –Sinhor, preciso muito da ajudia de vossa sinhoria. Exclama humilde o pobre homem, com lágrimas no olho a secar, olheiras de dias sem dormir, pobre homem, pobre. Sua mulher havia falecido em seus braços, berrava de dor com o rosto todo queimado, espumava sangue em tom alaranjado com gritos fortes, verozes, era o inferno expondo sua atuação humana, horrível. Seu rosto inchava como uma bola de fogo a queimar sem parar, até que o sangue derramado acabara com a dor aparentemente interminável da pobre mortal. Morrera nos braços do velho companheiro.
Era o início do fim na vida do homem, que perdera a companheira de café, de travesseiro, dos felizes dias de chuva, de sol. –Sinto muito meu senhor, sou assistente social e não psicólogo, nada posso fazer.
-Sinhor, por favoir, não faça isso comigo.Tô passando necessidade na minha casinha,que nem minha é,nem isso eu tenho,nem isso esse guverno me deu.Cadê o minha casa minha vida? Minha vida ta fudida,minha casa num tenho até hoje doutor.
A situação mudara de figura, o problema não era mais psicológico, ou não tão aparente assim. A velha traía o coitado homem, eram três caboclos lavradores, com braços enormes, pareciam os mulatos da Escrava Isaura. O homem no fundo sabia do chifre que carregava, mas não vinha procurar um ombro amigo, queria recursos para viver dignamente, sem problemas. Era funcionário da Le Café de muito tempo, desde os primórdios da empresa instalada no Nordeste do país, que mais tarde se expandiria por todo o território.
-Vou analisar sua situação, seus documentos de trabalho e suas condições de vida. Em breve vou até sua casa e aí vemos como tudo fica.
O homem, branco como uma folha de papel, muda de figura; -Não carece o doutor perder o precioso tempo em ver tamanho desconforto em meu pobre barraco sinhor. Pressionado por mim para contar tamanho medo, o vagabundo declarou ter queimado o rosto da mulher, com água quente, fervendo, no sol de queimar plantações, rindo no gozo eterno da vingança felicitada. O prazer era tanto que seu fetiche por fogo era queimado a queima roupa, no eterno prazer da carne que se transformara na mais cruel das vontades.

sábado, 26 de junho de 2010

Pensem o que quiserem...

"O mal se reflete em nossos pés
Este é o mal da democracia"

Iago José

Dramas da vida

Um conto definido como conto e nada mais. Espero que gostem!

Recém formado com sede de mudança, assim sou nestes tempos de crise. É um prédio comum,simples, resolvi trabalhar por conta própria, governo agora não, pra que fazer parte disso? Chego cedo, bem cedo, estou lá as sete, só o porteiro tomando sua caneca de café, dada por um condômino advogado, trazido de sua viagem aos EUA. A porta rústica de madeira, com meu nome sobrepõem o estilo das outras salas do vasto corredor comercial, do prédio que abriga de tudo, de todos. São advogados competentes e de porta de cadeia, dentistas que fumam cigarrilhas que amarelam os dentes, homens de preto, de branco, só não tem luz vermelha, o prédio é sério, o dono um turco de família, homem rico, bem de vida, transparece seriedade no bigode voraz. Vejo de tudo ao mesmo tempo que não posso ver nada, a realidade não permite o senso explícito total das coisas, não mesmo.
Minha secretária chega as oito, tomo meu café e leio o jornal deixado pelo boy do prédio, notícias vem e vão e só o caderno cotidiano pode vir a me interessar. A realidade parece nunca mudar, mesmo com os surtos do governo, aqueles que falam muito, fazem pouco, ou quase nada. É o discurso populista que invade as ruas, os becos, os carros de som, o subconsciente do mendigo faminto, é terrível. A cruel descentralização de riquezas afeta todos, sem exceção, do que toma pinga no boteco na esquina ao que fuma charuto no barre français. Uns dormem na culatra dos senhores, barões que se desenvolveram no processo capitalista, profícuo por sinal. Erros são naturais, consertos não acontecem, fazer o quê?
Eu faço minha parte, todos os dias para os brasileiros, tous les jours para os poliglotas.
Já fiz voluntariado, agora só trabalho com assessoria, desenvolvendo projetos no âmbito social, abrangendo suas diversas esferas de atuação, mas o movimento anda fraco com toda esta crise social, não econômica, e sim social. O que consegui foi uma parceria com uma grande empresa de porte nacional, produtores de café, algo milionário que gera centenas de dezenas de empregos as famílias de todo o Brasil, do norte ao sul, em todos os setores de atuação, dos transportes à colheita, é um tamanho inimaginável de dinheiro gerado todos os meses pela Le Café. Com o alto custo de produção e absurdos impostos cobrados pelo governo brasileiro, a mega empresa precisou investir em programas sociais que mudassem mesmo a vida das pessoas, foi aí que eu comecei a fazer parte do negócio.
Nicolaz me chamou em sua sala, uma tarde fria de inverno paulista,com fortes ventos e aquela chuva fina caindo sobre as cabeças urbanas. -Sr.Veloso, sente-se.Quero falar com você sobre o novo plano de ação da empresa.
A partir das palavras daquele bem aperfeiçoado francês, comecei a desenvolver o tal novo plano de ação da empresa, completamente voltado para a área social, mais especificamente no atendimento a funcionários e suas famílias, mapeamento dos problemas que viviam cotidianamente, proposituras de melhoras e ajuda imediata para que a qualidade de vida de cada trabalhador e sua família fosse garantida, gerando assim uma maior produção para empresa em termos de contentamento da classe trabalhadora, aliada a redução real de tributos. Quer coisa melhor que isso?
Estes dramas familiares, individuais e grupais, simples e compostos, se tornaram temas do meu trabalho diário.

DILMA: NUM DIA, OS SOCIALISTAS; NO OUTRO, AS SOCIALITES. OU: ELA JÁ METEU O BONÉ DO MST NA CABEÇA

Texto de Reinaldo Azevedo. Depois comento.


Na quarta-feira, publiquei aqui um texto intitulado NA BOCA DA URNA, DILMA FINGE SER KÁTIA ABREU. E até recomendei à presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) que ficasse atenta: caso Dilma Rousseff (PT) perca as eleições, pode querer disputar a presidência da entidade. Por quê?

Em visita a Minas Gerais, Dilma concedeu uma entrevista a uma rádio de Uberlândia e deitou falação contra as invasões de terras e disse não endossar as ações ilegais do MST. Foi muito direta mesmo:
“Quero dizer que sou contra qualquer ilegalidade cometida pelo Movimento dos Sem Terra ou qualquer outro movimento. Acho que ninguém que governe um país, um estado ou um município pode ser complacente com a ilegalidade. Invasão de terra, invasão de campo de pesquisa, invasão de prédio público é ilegalidade. E ilegalidade não é permitido (sic), e ninguém pode permitir que ocorra”.

Por que aquele discurso? Ora, ela falava numa região que tem uma forte presença do agronegócio e que sofre com o banditismo promovido pelo MST. No post a que me refiro acima, escrevi:
Dilma, afinal, pensa como Dilma ou pensa como Kátia? Ou será que veste agora o figurino da legalidade para meter depois o boné na cabeça? Em São Paulo, o PT e/ou Dilma estimularam e deram suporte a greves políticas — alguns líderes escolheram o caminho do confronto, da violência, da ilegalidade…

Dilma respondeu à indagação menos de 24 horas depois. No dia seguinte, na quinta, compareceu à convenção estadual do PT do Sergipe — estado em que fez carreira o presidente do PT, José Eduardo Dutra — e meteu o boné do MST na cabeça, como se vê naquela foto do alto.

No dia 20 de abril, em entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco — estado que tem a seção mais violenta do MST —, ela foi explicitamente indagada se meteria ou não o boné do movimento na cabeça. A candidata não hesitou:
“Acho que não é cabível vestir o boné do MST. Governo é governo, movimento social é movimento social”.

Na quinta, descumprindo o que dissera em Recife e em Uberlândia, não só a candidata petista se submeteu ao ritual como fez o seu discurso com o adereço ideológico na cachola. Em si, ele não é nada. A questão é o que simboliza: desrespeito à lei, violência no campo, financiamento público de um movimento de caráter político.

Eles não têm nenhum receio de falar uma coisa num dia e o contrário no seguinte. Mentem, desmentem-se, enrolam, vão adaptando o discurso ao público a que falam. Depois dos socialistas do Sergipe, na quinta, Dilma foi prestigiar as socialites na casa do empresário Abílio Diniz, na sexta. Certamente se mostrou uma pessoa empenhada em defender o crescimento, a reforma tributária, a lei a ordem — e, naturalmente, a educação e as criancinhas, que são o futuro do país, como vocês sabem bem…

A promessa do boné durou dois meses; a crítica às ilegalidades do MST não durou dois dias. Também nessa área, Dilma promete levar adiante a política de Lula, um desastre, segundo informações que estavam num site do Planejamento que buscava dar transparência às políticas públicas.

Estava tudo tão transparente que o próprio governo o censurou. Foi tirado do ar.

Se Dilma vencer, o MST já pode ficar tranqüilo: nada vai mudar!

Meu comentário no Blog de Reinaldo Azevedo:

Iago José
26/06/2010 às 11:12

Reinaldo meu querido amigo, tudo bom?
Bonjour!
Ando meio sumido,meio sem tempo para vir aqui, o que é uma pena. Adoro ler o que escreve, sempre muito profícuo, maravilhoso.
Estou de volta e mais feliz ainda com este texto real sobre a incoerência da miliante petista. Óbvio que nada vai mudar para o MST caso esta aberração ganhe. Veja que ela está ao lado de Lula, da esquerda, e não do povo. Incoerência total de discursos, lamentável.
Amanhã publicarei este texto em meu blog, fazendo referência a sua proficiência, claro. Dá uma boa análise. Análise esta que todos nós já conhecemos: Os miliantes estão em campanha.
Forte abraço.
Sucesso sempre!!!
Sou seu fã,

Iago José

Fruhling in Paris

A cultura é algo extremamente prazeroso, ao contrário do que D.Marta disse, o fato de gozar em aeroportos não está associado aos prazeres da vida, e sim, da medíocridade.
Gozando das coisas boas da vida se faz com música, com arte.
A banda Rammstein é autora de uma obra espetacular, que mistura alemão com francês, a combinação perfeita.

Fruhling in Paris
(Primavera em Paris)

Im lichtkleid kam sie auf mich zu
Em um vestido de luz, ela veio até mim
Ich weiß es noch wie heut':
Eu me lembro como se fosse hoje
Ich war so jung,
Eu era tão jovem,
Hab' mich geniert
Eu fico envergonhado
Doch hab' es nie bereut.
Mas nunca estive lá para se arrepender

Sie rief mir worte ins gesicht,
Ela me chamou com palavras para enfrentar
Die zunge lustgestreut;
Com uma língua sem palavras
Verstand nur ihre sprache nicht;
Compreender não é só a sua língua
Ich hab' es nicht bereut.
Eu não tenho do que me arrepender

Oh non rien de rien
Oh não, não
Oh non je ne regrète rien
Oh eu não me arrependo de nada

Wenn ich ihre haut verließ -
Quando eu saí de sua pele
Der frühling blutet in paris.
A primavera é a hemorragia em Paris

Ich kannte meinen körper nicht
Eu sabia que meu corpo não
Den anblick so gescheut
E assim de primeira vista eu perdi
Sie hat ih nmir bei licht gezeigt
Ela mostrou e se jogou na luz
Ich hab es nciht bereut
E disso eu me arrependo

Die lippen oft verkauft so weich
Os lábios estão frequentemente vendidos como uma coisa frágil
Und ewig sie berühr'n
E para sempre eles se foram
Wenn ich ihren mund verließ
Quando eu deixei a boca dela
Dann fing ich an zu frier'n
Então eu comecei a congelar

Sie rief mir worte ins gesicht,
Ela me chamou com palavras para enfrentar
Die zunge lustgestreut;
Com uma língua sem palavras
Verstand nur ihre sprache nicht;
Compreender não é só a sua língua
Ich hab' es nicht bereut.
Eu não tenho do que me arrepender

Oh non rien de rien
Oh não, não
Oh non je ne regrète rien
Oh eu não me arrependo de nada

Wenn ich ihre haut verließ -
Quando eu saí de sua pele
Der frühling blutet in paris.
A primavera é a hemorragia em Paris

Ein flüstern fiel mir in den schoß
Um sussurro veio para mim no tiro
Und führte feinen klang
Me guiou e soou bem
Hat viel geredet nichts gesagt
Falei muito e não disse nada
Und fühlte sich gut an
E me senti bem

Sie rief mir worte ins gesicht
Ela me chamou com palavras para enfrentar
Und hat sich tief verbeugt
Com uma língua sem palavras
Verstand nur ihre sprache nicht;
Compreender não é só a sua língua
Ich hab' es nicht bereut.
Eu não tenho do que me arrepender

Oh non rien de rien
Oh não, não
Oh non je ne regrète rien
Oh eu não me arrependo de nada

Wenn ich ihre haut verließ -
Quando eu saí de sua pele
Der frühling blutet in paris.
A primavera é a hemorragia em Paris

Mudanças, novas mudanças!

Caros amigos, o blog está mudando de visual.
Como voltei a postar ativamente desde ontem, quero uma cara nova para este espaço que tanto recebe visitas proficientes, ou seja: vocês!
Como disse em outro post, ficarei ativo com este blog até o início do ano que vem, quando ingresso na faculdade. A partir daí, vou criar um outro blog com um assunto voltado diretamente para a carreira profissional que irei seguir, claro que continuarei escrevendo análises e críticas aos temas que forem necessários.
Até lá, continuamos aqui, com um visual mais moderno, claro.
Minha foto de perfil também já está um pouco ultrapassada, não tenho mais bigode, esta característica séria me trouxe alguns apelidos coniventes com o coronelismo, mas não por isso tirei, e sim por desgosto próprio.
A imagem de entrada do blog também será alterada em breve.
Tudo é uma questão de tempo e paciência, pois ando sem um e sem o outro também!

Au revoir mes amis*

Ensaio sobre Serviço Social



Caros amigos, estava lendo algumas páginas do site do CFESS(Conselho Federal de Serviço Social), no qual tenho o maior respeito e admiração. Comecei a acompanhar esta área da sociedade, que muito me interessa e que poucos dão valor: O serviço social.
O trabalho de um assistente social é pautado nas diferenças (que são comuns e naturais em uma sociedade miscigenada não só na cor da pele e dos olhos, mas no âmbito cultural,social e econômico)e nas desigualdades que algumas políticas públicas enfatizam ao governar de maneira imprópria. Claro que o erro é estrutural e não mandatário.
Segundo esta minha visão social, repasso abaixo um trecho de "ESTRUTURA / ATUAÇÃO FRENTES DE ATUAÇÃO E COMISSÕES DE TRABALHO" do CFESS:

Parametrados pela Política Nacional de Fiscalização (PNF), as frentes de atuação do CFESS se estruturaram em dois grandes eixos: um que busca defender e valorizar a profissão, dando visibilidade e qualificando a intervenção profissional e outro que se conecta com as lutas da classe trabalhadora em defesa da ampliação e universalização dos direitos e das políticas públicas, da socialização da política, do fortalecimento dos movimentos sociais e da participação em espaços estratégicos de democracia participativa. Essas frentes de atuação se estruturam em Comissões de Trabalho constituídas por conselheiros/as que articulam e desenvolvem atividades pautadas pelos princípios e valores do Projeto Ético Político Profissional.
Leia mais em: http://www.cfess.org.br/estrutura_frentes.php

Quando o trecho aborda a questão das lutas da classe trabalhadora em defesa da ampliação e universalização dos direitos e das políticas públicas, da socialização da política, do fortalecimento dos movimentos sociais e da participação em espaços estratégicos de democracia participativa, fica claro que o compromisso dos assistentes sociais é pautado na defesa e atuação prática em projetos que diminuam as desigualdades prejudiciais, que comprometam uma boa qualidade de vida para a classe mais baixa da sociedade, o que ao meu ver, não está inserido na esquerda política e seu pensamento extremista.
Esta atuação se declara extremamente pautada em resoluções cabíveis, reais e possíveis, não utópicas, como a esquerda.
Trabalhar para todos, com visões reais e possíveis de progresso, vai além de um sistema político que pauta-se no extremismo social e cultural. Vai além de dizer que direitistas não se preocupam com o povo, como já ouvi por aí, de dizer que um direitista não pode ser caracterizado como tal, por fazer trabalho voluntário, e outras coisas absurdas do gênero discursivo da ignorância praticada.
Trabalhar pelo bem comum é um dever público, em todas as esferas do poder. E este trabalho começa com os assistentes sociais.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Autoridades removem estátua de Stalin em Gori, na Geórgia

Por Veja
No lugar, será construído um memorial para vítimas de guerra contra a Rússia




Uma enorme estátua de bronze do ex-ditador soviético Joseph Stalin foi desmontada em segredo em sua cidade natal, Gori, na Geórgia. A operação foi realizada durante a noite por autoridades locais, informou o governo nesta sexta-feira. No lugar, deve ser construído um memorial para as vítimas da guerra com a Rússia em 2008.

O sigilo em torno da operação se deve ao fato de que o ex-ditador ainda é muito popular neste Estado do Cáucaso. A estátua de seis metros se encontrava na praça central de Gori desde o começo da década de 1950. Nos últimos anos, foi tema de controvérsia, quando o governo do presidente pró-ocidental Mikhail Sakhashvili sugeriu que fosse retirada.

Muitos habitantes de Gori defendem apaixonadamente a memória de Stalin e se declararam totalmente contra a ideia. Gori está a poucos quilômetros de distância da região separatista da Ossétia do sul, onde as forças russas entraram em conflito com o Exército geórgio em agosto de 2008.

(Com agência France-Presse)

O tempo, os trabalhos, o tempo!

Meus caros amigos leitores,
Estou de volta, só para transmitir outro recado a vocês.
Primeiramente gostaria de agradecer a todos que visitaram o blog mesmo ele estando a mais de um mês sem atualizações constantes, como vocês estavam acostumados....Eu atualizava em uma média de 5 posts por dia, e agora, não escrevo mais nada. E é por isso que venho hoje aqui pontuar os motivos para vocês:
-Estou com pouco tempo para escrever, minhas leituras andam atrasadas, só agora consegui voltar a ler uns livros. Este ano presto vestibular, o que complica mais ainda minha situação enquanto autor deste blog. Além disso, estou cursando francês e existe toda a realidade da vida escolar aliada a vida pessoal; tudo isso, toma tempo, muito tempo.
É uma tristeza muito grande não poder mais estar aqui com vocês. Esta fase da vida em que estou passando é decisiva para meu futuro profissional, e preciso dar o máximo de atenção a ela. Agradeço muito a todos os que me acompanharam durante estes mais de 5 meses de vida do blog, contribuindo para que o sucesso fosse real e chegasse a estas dimensões fronteirísticas.
Assim que eu entrar na faculdade, no início do ano que vem, voltarei com um novo blog, direcionado a profissão que seguirei.
Conto com vocês para que divulguem os conteúdos postados aqui, que ultrapassam o número 300, dentre artigos políticos, sociais, culturais, frases, vídeos e imagens.
Posso voltar a qualquer hora, estarei sempre de olho nas visitas e nos comentários, por isso: Comentem, pesquisem, leia, aproveitem o máximo este blog, que por 5 meses, foi um marco na direita brasileira, tenham certeza disso. Como diz um professor e uns amigos: Eu sou um dos poucos que assumidamente me declaro de direita e defendo este pensamento, esta ideologia, por que acredito neste tipo de sistema político que tanto beneficiou e beneficia diversas nações, quer queira ou não os opositores.
Mas vamos juntos, este ano tem eleições presidenciais, já deixei claro meu apoio ao candidato José Serra, e volto a dizer que pensem muito no futuro de nosso país, nas lambanças que Lula e a esquerda ditadorial mascarada trouxeram para o Brasil, começando com apoios a governos extremistas e medidas altamente prejudiciais a economia brasileira(como o surto demagógico do aumentos salarial inviável aos aposentados, que aumentará a carga tributária e reduzirá o número de investimentos em outros setores públicos). O problema de tudo isso é que as pessoas esquecem quem faz o governo cretino, e culpam o sucessor pelos erros do antecessor. Se Serra ganhar, a culpa da falta de investimentos vai cair sobre ele, quando na verdade, o autor da lambança foi Lula que autorizou tudo isso.
Estou voltando para o blog, quero voltar a escrever como antes, preciso contribuir com a sociedade, dar minha opinião e formar opiniões. Conto com vocês!!!!
Grande abraço,

Au revoir^^

terça-feira, 1 de junho de 2010

Uma pausa!

Meus queridos amigos, tudo bem?
Gostaria de informar a todos que darei uma pausa nas postagens. Esta é a informação oficial.
Estou resolvendo uma série de novos trabalhos que estarei desenvolvendo desde já. Sinceramente, não sei como ficará o blog meio a esta correria e falta de tempo, além de uma mudança nos planos para o jornalismo que faço aqui.
Gostaria de agradecer todos os leitores que mesmo sem atualizações, continuam visitando o blog e participando do processo de formação de opinião. Muito obrigado mesmo.

Um grande abraço,

Iago José

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Serra promete metrô para a Baixada Fluminense

Por Veja.com
Depois de 55 minutos no trânsito, para percorrer cerca de 30 quilômetros no rush da tarde, José Serra chegou à Baixada Fluminense falando em transporte. Ao lado do prefeito de Duque de Caxias, José Camilo Zito, defendeu a criação de um metrô de superfície para os municípios da região, com aproveitamento da estrutura de trilhos e estações dos trens.

Na Baixada, o reconhecimento pelo público não é tão imediato quando na zona sul do Rio. Mas, em Caxias, é impossível não ser popular ao lado de Zito. “Podem esperar o metrô de superfície. Este é o meu candidato”, repetia o prefeito, conduzindo Serra pelas ruas num horário em que a cidade ferve.

Como mastigar é um ofício de candidato, José Serra não fugiu à regra. Aceitou pipoca várias vezes – depois de já ter beliscado um pouco de tudo no bordejo pelo Largo do Machado, no Rio. Filou um biscoito de um estudante, aceitou algumas balas, desviou de um churros e, noutra carrocinha, encarou mais pipoca.

Sem citar projetos específicos, o fim do périplo na Região Metropolitana do Rio foi com críticas ao PAC. “O PAC, hoje em dia, é mais anúncio do que ação. Vou completar o que foi começado e ampliar o programa”.

Champs Elysées

Do blog De Paris, por Antonio Ribeiro.

Nicolas Sarkozy e Carla Bruni aproveitaram o feriado de Pentecostes na França para visitar a avenida Champs Elysées, vizinha ao palácio de mesmo nome, residência do casal presidencial. Leiam mais: http://veja.abril.com.br/blog/de-paris/

Contrastes urbanos....

Oscar Freire, rua de renome em são Paulo, também é vítima da poluição visual. Nem lá as pessoas estão livres de ver o desagradável, o não-estético. Culpa de quem?

Analisem as fotos que eu mesmo tirei, semana passada, quando passei pelo pólo do requinte. Percebam onde esta presente o contraste social, me contem nos comentários, ok?




domingo, 23 de maio de 2010

Subway

Textos retirados do site oficial da Subway. Depois comento.

Com mais de 32,000 locais em 92 países, a marca SUBWAY® é a maior franquia do mundo em sanduíches estilo submarino; e se tornou líder internacional no desenvolvimento da indústria de restaurantes de comida rápida.
Os restaurantes SUBWAY® se aventuraram fora dos Estados Unidos abrindo seu primeiro local na ilha de Bahrain no Meio Oriente em Dezembro de 1984. Desde então, o conceito SUBWAY® se expandiu por todo o mundo, com restaurantes operando desde a Argentina até a Zâmbia.

Independente da localização do restaurante SUBWAY®, o cardápio principal é relativamente o mesmo - com exceção de algumas variações culturais e religiosas. Viajantes internacionais poderão encontrar a mesma alta qualidade dos ingredientes independente da nação que estejam viajando. Voce poderá saborear um delicioso Sanduíche de Peito de Peru, com uma variedade de vegetais e condimentos de sua escolha, servido no pão assado no mesmo restaurante na Jamaica, e quando estiver na Nova Zelândia saborear o mesmo Sanduíche de Peito de Peru.
Cardápio:
Nosso objetivo é que cada restaurante SUBWAY® ofereça produtos de qualidade feitos de acordo ao gosto individual de cada cliente. Seu sanduíche SUBWAY® é feito como voce quer. Os pães são assados diariamente em cada restaurante. Vegetais frescos são fornecidos por distribuidores locais, com uma ampla variedade de cortes de frios, que são cobertos com molhos especiais e especiarias de sua escolha. Cada pedido é preparado na sua frente.






Site oficial: bra.subway.com/

Comento:
Subway é dona de uma qualidade incrível. Para quem busca uma alimentação diferenciada do cotidiano a que estamos submetidos, sem dúvidas é uma ótima escolha. Com um atendimento preferencial, preparo extremamente higiênico dos sanduíches e um estilo extremamente cativador, Subway é renome em alimentácão internacional. Eu recomendo.

sábado, 22 de maio de 2010

A bruxa confessa agressões


Vejam o que a procuradora aposentada Vera Lúcia de Sant’Anna Gomes, de 66 anos, acusada de torturar com frieza e fúria uma menina de 2 anos que estava sob sua guarda, disse a Revista Veja:

"Chamei a garota de cachorra mesmo", afirmou. E acrescentou: "Mas chamar alguém de cachorro não é ofensa. Os cães são mais amigos e leais do que muito ser humano por aí".
Comento:
A bruxa loira não demonstrou nenhum arrependimento, como vocês puderam perceber nas palavras acima. Então quer dizer que podemos sair pelas ruas chamando as pessoas de cachorro? Se bem entendo existe uma legislação vigente que probie este tipo de agressão verbal, ou será que a bruxa procuradora não vive nesta realidade?

De novo a linguagem!

Agradeço aos que comentam quanto a linguagem do meu blog, sempre afirmando que uso palavras "intelectualizadas"(ainda estou querendo saber o que são estas palavras), mas vou dizer novamente aos senhores que não seleciono o público de meu blog. Eu escrevo do jeito que gosto de escrever e pronto. Fim de papo. Quem quiser ler será muito bem vindo, que não quiser, paciência. Quanto ao uso do dicionário para ler meu blog(este fato foi mencionado por vários leitores), é sempre bom as pessoas ampliarem seu vocabulário, isso não faz mal a ninguém, muito pelo contrário. As pessoas hoje em dia são dotadas de uma acomodação imensa, querem explicações mastigadas, palavras coloquiais, menores textos e maiores imagens. Quem busca este tipo de jornaleco barato estilo sindicalista, está no lugar errado. Não vou deixar de escrever do jeito que gosto para atrair mais leitores, estou feliz deste jeito, quem não gostar que pare de ler o blog. Certo?
Os comentários dos caros amigos que postaram sobre a linguagem do blog foram aprovados, estão em alguns dos mais de 300 posts abaixo. Paciência meus caros, não sou jornalista, não ganho para articular moderadamente como acontece nos jornais e revistas. Para bom entendedor meia palavra basta. Para médios entendedores, o Aurélio basta. Para os maus entendedores, uma escola basta.
Sabe o que me parece? Existe muita gente que não quer saber de pesquisar, estão fazendo igual a APEOESP, sindicato dos professores do estado de SP, que afirma que os professores não tem tempo para estudar. Se um professor não estuda, que aluno irá aprender?

POR QUE O TOTALITARISMO SEDUZ OS INTELECTUAIS?

Matéria retirada do blog de Reinaldo Azevedo. Depois comento.

Mente Cativa (tradução de Dante Nery; Novo Século; 248 páginas; 39,90 reais), do polonês Czeslaw Milosz, prêmio Nobel de Literatura de 1980, é um dos livros indispensáveis do século XX. Disseca um tipo moderno de política - o totalitarismo - que pretende se sobrepor à vida individual, conquistando-a e ocupando-lhe todas as esferas. O livro pertence à estirpe de 1984, de George Orwell, e O Zero e o Infinito, de Arthur Koestler. Mas, ao contrário destes, é uma obra de não ficção. E Milosz, ao contrário dos outros dois autores, viveu mesmo sob um sistema totalitário - a Polônia comunista.

Considerado por muitos o melhor poeta polonês moderno, Milosz, em seus 93 anos de vida (morreu em 2004), foi testemunha dos horrores do século passado. Nascido em território que hoje pertence à Lituânia, então parte do império russo dos czares, ele começou a escrever na época do renascimento nacional da Polônia, que estivera desde o fim do século XVIII sob ocupação estrangeira. Foi a invasão alemã de seu país em 1939 que levou sua poe-sia a amadurecer, conforme buscava uma forma capaz de incorporar as tragédias de sua era. Vendo, de início, a chegada das tropas soviéticas como uma libertação, ele se aliou ao regime comunista, trabalhando como diplomata. Incapaz, porém, de se calar diante de tudo o que havia presenciado, em 1951 o poeta pediu asilo na França. Livre, enfim, para dizer o que queria, pôs-se imediatamente a redigir o livro que o tornaria famoso no estrangeiro, Mente Cativa. A obra foi atacada tanto pela esquerda, que via o autor como um traidor, quanto pela direita, que o acusava de tentar entender o comunismo em vez de apenas estigmatizá-lo.

Mente Cativa compõe-se de uma série de ensaios encadeados nos quais Milosz analisa o que leva intelectuais a abrir mão da liberdade para se render a um regime que pensa por eles.

Comento:
Vejam que não é simples assim descever os fatos que levam intelectuais a aprovarem regimes totalitários. A ditadura, ao contrário dos pensamentos do senso comum, no Brasil, trouxe muito progresso econômico e construtivista, além da educação ser um exemplo nacional. Hoje, temos déficits em todas as áreas, com uma democracia representativa falha, comandada por coronéis em sua maior parte. Precisamos voltar para a ditadura? Claro que não. Precisamos construir uma democracia representativa mais firme, com leis que vigorem com maior rigor, com mais respeito.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Trois mois de vie


Queridos amigos, hoje o blog completa 3 meses de vida com um sucesso invejável. Muitos petralhas morrem de dor de cotovelo, ao ver que a verdadeira política está ao nosso lado, o lado do liberalismo, da verdadeira democracia representativa, seguindo os princípios do estado de direito.
Fico muito feliz por poder contar com cada visita que recebo diariamente, em uma média de 62 por dia.
Seguem abaixo os números destes três meses de jornalismo comprometido com a opinião:
*3 meses de Café de la droite:
-5560 visitas
-379 postagens
-846 comentários
-170 seguidores


Merci.

Vamos em frente!!!!

Au revoir

A mais bela avenida do mundo será um jardim

BLOG-DE PARIS

A Champs Elysées, mais bela avenida do mundo, vai se transformar em um imenso jardim. Durante dois dias — 23 e 24 de Maio — a linha reta de um quilometro e larga de 27 metros, que separa a Praça da Concórdia e o Arco do Triunfo, em Paris, será ocupada por 150.000 arvores, divididas em quatro pequenos bosques, e 150 espécies vegetais. O mosaico natural de 3 hectares formado por parcelas de 1,2 metro quadrado será instalado sob os paralelepípedos por 600 agricultores franceses em uma só noite. A iniciativa cuja preparação paisagística levou um ano, vai comemorar na França, o Ano Internacional da Biodiversidade, organizado pela ONU. Estima-se em um milhão, o número de visitantes.

Vinte anos depois de cobrir a avenida Champs Elysées com campo de trigo, o veterano criador de espetáculos de rua, Gad Weil, foi o escolhido para concepção do Nature Capitale. “O evento vai durar apenas dois dias, mas ele não será completamente efêmero desta vez, ele continuará vivo alhures”, conta Weil a Veja.com. O visitante poderá comprar partes do jardim e levar para casa. Um vaso florido, por exemplo, custa 10 euros. Uma parcela de um bosque, miniatura vegetal de 11 diferentes regiões da França, pode chegar até a 700 euros.

Grande Moisson, o trigal urbano de Weil, foi um espetáculo para a comemoração do Bicentenário da Revolução Francesa. O artista queria lembrar a fome como uma das causas principais do acontecimento que mais modificou a França e que, dois séculos depois trouxe abundância. Ele perdeu a concorrência para o desfile majestoso de Jean-Paul Goude cujo tema era a confraternização de povos e culturas. Desta vez, o Nature Capital tem como objetivo, segundo Weil, “mostrar as paisagens da França de forma poética.”

Ninguém duvida que a Champs Elysées estará ainda mais bonita com arvores no lugar de carros. A questão é saber o que chamará mais atenção, se um jardim na principal avenida da França ou os 4,2 milhões de euros gastos com o Nature Capitale em tempos de controle orçamentário — o déficit público francês equivale a 8,2% do seu Produto Interno Bruto, 143,8 bilhões de euros em 2009. O presidente Nicolas Sarkozy propôs hoje, mudança na Constituição que obriga todo governo a fixar um objetivo quinquenal de redução do déficit no início do mandato. Até 2013, a França deverá reduzir seu déficit público a 3% do PIB como preconiza a União Européia.

Quincas Berro D' Agua

ESTRÉIA HOJE EM TODO O BRASIL

Sinopse:
Rei dos botecos, bordéis e gafieiras da Bahia, o ex-funcionário público Quincas Berro d´Água é encontrado morto em sua cama. Inconformados com sua morte, seus melhores amigos roubam o corpo e o levam para uma última noite, regada a festa e muita bebida. Em meio a mil confusões, Quincas vive a sua segunda e definitiva morte, desta vez como sempre sonhou.
Comédia - 104 min. - Classificação Indicativa 14 Anos

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Sessão - A importância do Voto


Estréia hoje no blog a sessão A importância do voto, onde Iago José escreverá sobre política diretamente envolvida com as eleições deste ano, esclarecendo e pontuando alguns detalhes importantes, de utilidade pública e extrema proficiência para o eleitor e leitor.
Aqui, você saberá dos pontos de vista políticos de Iago, além de suas críticas aos candidatos deste ano, não deixando de lado os candidatos que apoiará para os cargos eletivos. Será um espaço de campanha, com análises e pontos de vista.
O post abaixo marca o início dos conteúdos desta coluna. Não deixem de ler, comentar e participar.
O país que nós precisamos é PROGRESSISTA!

Au revoir.

A importância do voto - Deputado Federal

O que é um deputado federal?
-Informações da internet
Deputado federal é o representante eleito para a Câmara dos Deputados, uma das duas casas do poder legislativo federal no Brasil.

De acordo com a Constituição federal do Brasil de 1988, é o representante nacional popular, eleito por voto direto.

O mandato é de quatro anos, podendo o candidato concorrer a sucessivas reeleições. O código eleitoral brasileiro permite ao deputado federal mudar de partido no correr do seu mandato público.

Compete ao deputado federal o ato de legislar e manter-se como guardião fiel das leis e dogmas constitucionais nacionais, inclusive podendo propor, emendar, alterar, revogar, derrogar leis, leis complementares, emenda à Constituição federal e propor emenda para a constituição de um novo Congresso Constituinte (para confecção de nova Constituição).

Comento:
A importância do voto é extremamente pautada no que diz respeito ao exercício da cidadania e da construção do progresso que é diretamente dirigida por nós, eleitores. Somos nós que contratamos os representantes do povo para trabalhar e defender nosso país, os interesses comuns, e verificar as necessidades regionais de cada canto desta imensa nação.
Quando você elege um deputado federal de sua cidade, você está beneficiando a população de onde você mora, pois ele irá trabalhar com toda atenção voltada principalmente para o desenvolvimento da cidade em que nasceu, viveu ou trabalhou por algum tempo, ou seja, quem ganha votando em deputado federal da própria cidade, são os próprios moradores da mesma, que contarão com um representante efetivo por 4 anos, defendendo e garantindo os direitos constitucionais, além de estar buscando e fiscalizando verbas para o município.
Claro que as funções do deputado federal vão muito além de trabalhar para seu município de origem. É função do deputado garantir o cumprimento das leis e melhorar a qualidade de vida de todos os brasileiros, através de projetos e reformas nas atuais leis.
Não deixe de valorizar os políticos de sua região. Vote consciente!
Aguardem a nova matéria sobre a importância do voto.

Novidades!

Queridos amigos leitores,
Amanhã o blog faz 3 meses de vida, graças a vocês!
Estou preparando algumas novidades. Ainda hoje pretendo postar as fotos da viagem que fiz, com comentários e análises.
Na área política, fechei um apoio para este ano e estarei me empenhando muito nas eleições, em breve divulgo todas estas novidades aqui para vocês, combinado?

Au revoir.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Iago José comenta a imprensa de qualidade

Comentei no Blog de Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes, hoje. Vejam abaixo:

Post: PROFISSIONAL DA ILEGALIDADE - LULA RECEBE TERCEIRA MULTA DO TSE (Reinaldo Azevedo)
Estive em SP neste final de semana.Fui vistar o Palácio do Governo do Estado, cheguei até a porta do gabinete do governador, é algo emocionante, uma honra indescritível.Os esquerdistas metem o pau em tudo, sem ao menos conhecer as verdadeiras raízes do progresso.Se soubessem da história do Palácio do Governo, não falariam mal dos empresários, que pagam milhões de impostos/ano.
Complicado isso Reinaldo, Lula não cria vergonha na cara. Sempre mamou nas tetas do governo, é fácil falar besteira, não é ele quem paga.

Post: Nascidos um para o outro: Ratinho e Dilma Rousseff no Discurso Sobre o Nada (Augusto Nunes)
Coloquei em meu blog agora pouco algumas frases do Lula, um dicionário de expressões absolutamente incoerente. Me animou inclusive para comentar neste proficiente artigo, que merece todos os elogios e reconhecimentos do mundo, sim do mundo, não do mundo da Dilma, claro.

O Ratinho é um personagem estritamente comercial, suas piadas vendem, isto é um fato que nada acrescenta na sua incompetência no pensar político. Aliás, suas ideias políticas não condizem com um sistema qualitativo. O Ratinho não entende nada, só sabe fazer graça, só isso. Já Dilma, além de se achar a maravilhosa gerente do governo Lula de continuidade, ainda quer dar uma de professora de português, o que também é lastimável. Dilma não presta para nada, aliás, sabe muito bem guerrilhar. Fica meio estranho ela dizer que acha que o terrorismo tem de ser combatido. Pensando bem, ela acha porque fez parte de um grupo armado, se fosse uma pessoa íntegra, teria certeza.
Outra coisa interessante é o momento em que nas entrelinhas, Dilma deixa claro o poder das mulheres na sociedade. Quando falamos em poder, falamos em hierarquia, são sinônimos, certo? Que eu saiba a esquerda prega o socialismo, onde não existe hierarquia, certo? Então, porque esta preocupação e necessidade de dizer que as mulheres tem poder? Não somos todos iguais? Este é mais um pretexto inútil do discurso dos petralhas, que nunca condiz com o que eles dizem defender.
E tem mais, o fato do socialismo ser algo sem hierarquais é um pensamento exclusivo dos esquerdistas, pois todos nós sabemos da soberania do estado neste caso., tendo em vista o poder total-estatal no controle da massa.
Ratinho disse que o presidente encanta ao discursar. Meu Deus, a esquerda contamina mesmo as pessoas. Collor foi eleito porque as mulheres o achavam um galã, já Lula, encanta nas palavras. Em ambos os casos não vimos trabalhos, somente beleza cretina e superficial.

Dilma é uma dona de casa comum? O fato dela ser candidata a presidência não a diferencia do resto do país? Ratinho prega das ideias socialistas fajutas, ao menos é conivente com isso, diferente de Dilma e do resto da esquerda. Ah, Ratinho nem fez campanha para Dilma, né? Só faltou pedir votos.

Serra por um Brasil que pode e precisa mais!



Serra volta a se colocar como candidato da união
quarta-feira, 19 de maio de 2010 | 11:41

O tucano José Serra foi o primeiro a responder às perguntas preparadas pela Confederação Nacional dos Municípios e manteve a estratégia de sua pré-campanha: pregou união nacional e alfinetou, sem citar nominalmente, o PT.

Serra também manteve a tática de citar sua biografia. Os tucanos querem reforçar a ideia de que ele é mais experiente do que Dilma Rousseff (PT). Serra elogiou os prefeitos, lembrou que foi prefeito de São Paulo e disse que passou a “compreender muito mais os problemas dos municípios e muitas das questões que foram levantadas”. No final, disse que “aprendeu muito” com o evento. “Municípios são amigos, são parceiros, não são adversários, entidades para a gente descarregar os nossos problemas.”

Serra foi aplaudido pelos prefeitos ao criticar o “jogo de empurra” que impede a solução de problemas. O tucano voltou a criticar a redução nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios.Ele elogiou medidas do governo para combater a crise, como redução de impostos, mas afirmou que faltou mais de 1 bilhão de reais para as prefeituras. “É muito errado se fazer redução de impostos temporárias, e os municípios pagarem a conta, como aconteceu.”

Usando expressões colocadas pela própria Confederação, Serra disse que governos fazem bondades com “chapéu alheio”, e agora “prefeitos estão com pires na mão em Brasília”.Mas foi na contramão da proposta dos prefeitos ao não concordar como fim das emendas individuais de parlamentares.

O tucano voltou a atacar o que chamou de loteamento político de ministérios e agências reguladoras e se disse o candidato da união nacional. “O Brasil só vai dar certo se for governado para todos, não é o Brasil dos bons e dos maus.” Ele disse que no Ministério da Saúde e no governo de São Paulo não pedia “carteirinha partidária”.

O tucano concluiu: “Quero conclamar os prefeitos: vamos dar as mãos independente das cores partidárias. No governo federal, eu não vou ser presidente de um partido, do PSDB, mas o presidente da nação brasileira.”

(Fernando Mello, de Brasília) Da Veja.com

As frases de Lula

Está rolando na internet um e-mail com algumas frases do nosso presidente. Vale lembrar que temos de rir muito para não chorar deste governo ridículo que Lula está fazendo.
Como podemos permitir que uma pessoa sem formação nenhuma seja Presidente da República?
A própria população detona com o país, elegendo pessoas sem preparo nenhum para administrar uma nação, não estamos falando de um boteco, estamos falando de um país.
Este é o motivo inicial para não votar em Lula, uma pessoa que nunca se preocupou com os estudos, sempre gostou de mamar nas tetas do governo. Agora vocês estão vendo e sentindo na pele o resultado desta lambança populista.

Seguem abaixo as frases que circulam no e-mail. Transcrevo exatamente como recebi:

“Ao invés de proibir o xixi no Rio, seria melhor proibir as cagadas em Brasília.”
RELEMBRANDO: DIGA-ME COM QUEM ANDAS…

“Esse governo é mesmo letrado. Passou 10 anos tentando modificar o significado da palavra ‘escândalo’.”

Frases de efeito...

Muito efeito! Efeito demais!...


“Eu gostaria de ter estudado latim, assim eu poderia me comunicar melhor com o povo da América Latina.”
(Deveria ter nascido mudo!)


“A grande maioria de nossas importações vem de fora do país.”
(Essa é boa)


“Se não tivermos sucesso, corremos o risco de fracassarmos.”
(E o risco é mesmo grande!)


“O Holocausto foi um período obsceno na História da nossa nação.

Quero dizer, na História deste século.
Mas todos vivemos neste século!
Eu não vivi nesse século...”


“Uma palavra resume provavelmente a responsabilidade de qualquer governante.
E essa palavra é estar preparado’”.

(????)

“O futuro será melhor amanhã...”

“Eu mantenho todas as declarações erradas que fiz...”
(E continua a fazer!)

“Pelotas é uma cidade que exporta viados.”


“Um número baixo de votantes é uma indicação de que menas pessoas estão a votar.”
(Socooorro!)

“Nós estamos preparados para qualquer imprevisto que possa ocorrer ou não..”

“Minha mãe nasceu analfabeta.”
(Será?!)

“Não é a poluição que está prejudicando o meio-ambiente. São as impurezas no
ar e na água que fazem isso.”


“É tempo para a raça humana entrar no sistema solar.”
____________________
“Para os chineses, 2009 foi o ano do BOI. 2010 é o ano do TIGRE. Felizes são eles que, a cada ano, trocam de animal. Nós já estamos há 8 anos com o BURRO e se não soubermos votar, 2011 será o ano da JUMENTA!”

Comento:
Bem, vocês puderam perceber nas frases acima a qualidade textual dos discursos do Lula. Vocês acreditam que um cara como esse é presidente do Brasil? Se não formos considerar os erros gramaticais(que são muitos), vemos mais e mais erros no sentido das frases. Meu Deus, não existe salvação para tanta lorota, tanta lambança. Pior de tudo é a equipe proficiente da presidência, que deixa mais uma vez muito claro que Lula não sabe nada, absolutamente nada. Desta vez até o revisor textual dos discursos do presidente falhou, infelizmente para eles que deveriam ao menos morrer de vergonha, felizmente para nós que podemos ver nitidamente a qualidade cretina do presidente que nós elegemos. Eu não votei nele, graças a Deus eu não votava quando Lula foi eleito pela esmagadora massa manipulada pela demagogia esquerdista. Este é o ano da mudança. Não podemos compactuar com a ignorância, com a medíocridade. E nesta eleição, a situação é mais feia ainda, Lula está lançando uma GUERRILHEIRA para comandar nosso país. Ex-presidiários deveriam ser proibidos de se candidatarem. Não estou exagerando, esta é a pura verdade. Pesquisem e verão!!!!
É isso que vocês querem para o Brasil?
É isso que Lula e Dilma querem para eles.

terça-feira, 18 de maio de 2010

O twitter de Dilma

Vejam o que foi escrito agora pouco:
Em Brasília,terei encontros c/ prefeitos.Importantíssimo.Já dizia Dr.Ulysses:ninguém mora na União ou no estado,todos moram no município. about 3 hours ago via web

Comento:
Interessante esta grande descoberta de Dilma e sua equipe petralha. Os estados ficam onde? Jogados ao sol? Ao vento?
Dilma não sabe o que falar, não se expressa bem, não é competente, é mentirosa, falsa, guerrilheira. Estou errado? Vocês estão vendo, só não vê quem não quer. Leiam a biografia de Dilma, a verdadeira biografia, não aquela que os petralhas manipulam.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Ensaio - Extra rápido

Dentro de cafeterias podemos refletir, pensar, sonhar, ganhar conhecimento, ler e presenciar a liberdade intelectual que circula livremente entre as mesas repletas de cafés borbulhantes, com aroma de cotidiano.
É fantástico o que a cultura pode nos proporcionar através de simples gestos, de simples cafés com canela.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

São, São Paulo, meu amor...

Tom Zé é o gênio que escreveu esta música, vencedora de prêmios, digna de troféus.
Faço destas palavras as minhas, ainda mais hoje, que embarco para a terra da garoa.
Estarei em Sampa, como diz Caetano, ano passado conheci a famosa Av.São João e sua paralela Av.Ipiranga, ambas no coração da cultura, do berço histórico, da boemia que nunca morre. Hoje volto a metrópole de encantos, ao berço das análises sociais, ao ponto de partida para o desenvolvimento progressista, social e econômico do país, com muita alegria, felicidade e aquela vontade de pisar em um dos solos mais pisados do mundo, sim, do mundo caros leitores.
Ficarei ausente do blog por uns tempos, nem atenderei telefone, quero descansar, curtir o tempo que é dono da vida, aproveitar cada minuto. Tempo é dinheiro, gosto de dinheiro, gosto de tempo.
Volto a escrever, se tudo der certo, na terça-feira, com novidades de Sampa. Vamos falar bastante de cultura, sociologia e política, as bases sólidas para a fundamentação perfeita da sociedade em que vivemos, em que estamos inseridos, querendo ou não.
Vamos nos falando queridos leitores, deixem comentários.
Agora, se me dão licença, preciso tomar meu café, praticar meu francês, pensar na vida, e claro, sempre a direita e avante!

Au revoir

terça-feira, 11 de maio de 2010

Misantropia

Lendo e estudando mais afundo o conceito de misantropia, verifiquei que me encaixo nessa característica, porém, é importante sabermos que existem diversas vertentes desta aversão ao ser humano e à natureza humana, que devem ser muito bem compreendidas, para que não ocorram desvios de informação. O texto que segue abaixo foi retirado da internet, em sites de pesquisa comum. Em negrito, coloquei trechos nos quais me encaixo, e a partir deles, me auto denomino um misantropo. No final, faço uma observação importante.

Os misantropos expressam uma antipatia geral para com a humanidade e a sociedade, mas geralmente têm relações normais com indivíduos específicos (familiares, amigos, companheiros, por exemplo). A misantropia pode ser motivada por sentimentos de isolamento ou alienação social, ou simplesmente desprezo pelas características prevalecentes da humanidade/sociedade.

A misantropia não implica necessariamente uma atitude bizarra em relação à humanidade. Um misantropo não vive afastado do mundo, apenas é reservado (introvertido/timido fundamentalmente) e, é precisamente por este facto que é habitual serem poucos os seus amigos ou pessoas que estabeleçam um vinculo afetivo. Olham para todas as pessoas com uma desconfiança, é frequente serem feitos "juízos de cálculo" de cada um que se aproxime, embora muitas vezes não o demonstrem. São pessoas que não gostam de grande agitação ao seu redor, pois não se sentem bem diante de muita gente, preferindo ficar em casa a sair para locais de diversão (indisposição para ir a lugares com muita gente, por exemplo, baladas/festas, o que invariavelmente faz da pessoa uma caseira convicta). Podem ocorrer frequentes mudanças de humor: ora feliz, ora melancólico, o termómetro do estado de espírito fica louco, oscilando constantemente (poucas são as pessoas que vêem este seu aspecto, normalmente as mais próximas). Normalmente são muito perfeccionistas no que gostam de fazer e no que se comprometem a fazer. É muito frequente destacarem-se nas áreas em que estão inseridos (as que eventualmente têm um á vontade), pois dedicam grande parte do seu tempo ao trabalho. A misantropia costuma aparecer desde logo durante a infância em crianças tímidas, introvertidas e caladas que têm dificuldades em fazer amigos, nomeadamente na escola, preferindo muitas vezes ficarem sozinhas. Com o passar dos anos, tendem a ser bastante sarcásticos/irónicos nas observações que fazem (pode-se dizer que em parte a grande timidez é disfarçada por estas duas características) - têm uma interpretação muito própria de tudo aquilo que vêem e de tudo aquilo que lhes é dito pelas outras pessoas, sendo bastante observadores e atentos ao que os rodeia embora, muitas vezes, não o pareça. Um fato notável é que são muito inteligentes, tendem a resolver desafios e enigmas com muita facilidade, já que vivem de um raciocínio puramente lógico embora não se deixam ser percebido.

Uma das explicações mais consistentes para esta aversão social deriva do facto de darem bastante relevância aos aspectos negativos que constatam nas pessoas ou simplesmente terem medo que estas os desiludam, daí as evitarem. Têm uma forte sensibilidade ficando extremamente afectados com tudo o que os rodeia (mesmo que muitas vezes não estejam envolvidos directamente) daí ser muito fácil, ao longo da vida, passarem por várias depressões.

Expressões evidentes de misantropia são comuns em sátira e comédia, embora a intensa seja geralmente rara. Expressões mais sutis são mais comuns, especialmente para mostrar as faltas/falhas na humanidade e sociedade.

Observação: Vou me formar em sociologia e pretendo dar aulas desta disciplina. Ah Iago, mas então, como você se considera um misantropo se pretende ser sociólogo? Sociologia não é o estudo das sociedades?
Uma coisa não tem nada a ver com a outra meus caros. Os estudos e análises podem ser desenvolvidos por pessoas de qualquer personalidade e/ou modo de pensar e agir, os meios não atrapalham os métodos para o resultado final, quando o objetivo de cumprimento do trabalho é esclarecidamente desenvolvido. Sou um misantropo sim, dentro das características que dei ênfase no trecho acima, e isso não atrapalha nos estudos sociológicos, muito pelo contrário, ajudam muito. Gostem ou não, esta é a verdade.

O vocábulo do blog


Um leitor anônimo(como sempre)disse que uso de um vocabulário inacessível para a grande massa. Vocês acham? Ele concluiu o comentário dizendo que preciso comer muito arroz com feijão. Vocês também acham?
Vou pontuar quando ao vocabulário e linguagem que uso, novamente:
-Veríssimo diz que os textos são deles, portanto, escreve como quer. Eu também digo o mesmo, erros são sempre vistos, fazer o quê, né? Não sou corretor textual, nem ele. Mas enfim, procuro evitá-los.
-O vocabulário que uso é aquele que me atrai, se a grande massa entende ou não, gosta ou não, o problema não é meu. Eu escrevo do jeito que quiser, o blog é minha casa na internet, lê quem quer, entende quem lê e quem procura, quem estuda, quem busca o conhecimento através das várias fontes que a internet oferece. Os petralhas que se prezam a criticar a linguagem que utilizo, ficam o dia todo no orkut, certamente. Ou estou errado? Quando Arnaldo Jabor disse que o Twitter era a revolução dos idiotas, ele errou, a revolução dos idiotas são os incompetentes que fazem do orkut e do twitter, um vaso sanitário, isso sim.
Gostou? Ótimo!!!! Não gostou? Ótimo.

Um parceiro de personalidade..Ele é House!

Hugh Laurie atua como o Dr. House, um médico viciado em analgésicos que tem como missão diagnosticar patologias raras. Totalmente desprovido de carisma, ele chama a atenção pelo seu humor sarcástico.

Dr. Gregory House tem como missão diagnosticar patologias raras e para isso montou uma equipe brilhante, utilizando critérios duvidosos e nada convencionais. House evita falar com seus próprios pacientes por acreditar que eles não irão acrescentar nada na investigação, já que na maioria das vezes mentem.
Viciado em analgésicos para tentar suportar a dor, House sofre de paralisia muscular na perna direita, o que o faz mancar. Totalmente desprovido de carisma, ele chama a atenção pelo seu humor sarcástico.
Biografia do personagem: http://uc.globo.com/house/Personagens/House-Hugh-Laurie.shtml

Comentando:
House é uma das figuras que mais se assemelham ao meu ponto de vista e personalidade pessoal. A diferença é que não sou médico como ele, e não ando de bengala, apesar de estar com uma pequena contusão na perna esquerda, a dele é na direita, e a minha vai sarar, a dele, não.
Seu humor sarcástico é uma característica pouco vista nas pessoas, o que me chama atenção, me atrai. Vejam como é complicado o estilo de vida de House, seus vícios, suas teorias não tão somente profissionais, mas pessoais.
Outra característica marcante é a sagacidade, que fascina pela rapidez com que é desenvolvida. É magnífico, é fantástico, é digno de House.
Só existe uma controvérsia: Eu acho que seria melhor se ele adequa-se seu estilo de vida a outra profissão, não a de médico. Professor, talvez. O que acham?

A farsa de Morales.

O título do post é meu, mas a reportagem é da Veja. Segue abaixo um trecho, leia na íntegra comprando a edição desta semana.

FARSA
Morales ergue os bastões no ritual de posse: dica dos sacerdotes


Evo Morales pode ter cara de índio e nariz parecido com o do condor, como nós. Mas seu cérebro é de branco”, diz o aimará Felipe Quispe, que, como o presidente boliviano, se dedicou nos anos 90 a organizar protestos com o objetivo de derrubar governos democráticos. A frase de Quispe ecoa a convicção entre os bolivianos de que Morales, internacionalmente conhecido como “o primeiro presidente indígena da América Latina”, não passa de uma farsa.

Juan Evaristo Morales Ayma, apesar de ter pai e mãe aimarás, nunca aprendeu a língua dos antepassados e deixou sua cidade natal aos 6 anos de idade. Ele se comunica apenas em espanhol e é solteiro, o que para os aimarás é considerado mau agouro. O desconhecimento dos costumes e das línguas indígenas já rendeu alguns vexames a Morales.

Durante um discurso no encerramento das eleições regionais deste ano, na cidade de Achacachi, o público gritava: “Fale em aimará! Fale em aimará!”. Morales fez de conta que não era com ele e foi vaiado. Seu candidato à prefeitura da cidade terminou em terceiro lugar na votação. Em janeiro, antes da posse do segundo mandato, o presidente submeteu-se a um ritual para ser ungido guia espiritual indígena, nas ruínas da extinta civilização de Tiwanaku. Após atear fogo às oferendas, deixou o local sem esperar que um sacerdote lesse as mensagens divinas nas chamas, como manda a tradição.

Depois, quando algumas crianças lhe entregaram dois bastões cerimoniais, virou-se desnorteado para um sacerdote e perguntou: “O que eu faço com isso?”. O que passou pela cabeça de Evo naquele momento é uma incógnita. Na Bolívia, contudo, poucos têm dúvida de que, se ele fosse índio, saberia o que fazer com os bastões… No caso, erguê-los em oferenda aos deuses.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Falha no Twitter 'apaga' número de seguidores

No perfil oficial do microblog, equipe afirma que suspensão é temporária.
Assunto foi um dos tópicos mais comentados na tarde de segunda.

Usuários do Twitter foram surpreendidos na tarde desta segunda-feira (10) com o número de seguidores zerado.

De acordo com o perfil oficial do Twitter, o contador de seguidores ficará temporariamente offline enquanto a equipe conserta um bug no microblog.

Um post no site Twitter Status, que informa problemas como esse, explica que foi encontrado um bug que permitia usuários a "forçar" outros a segui-los. A equipe do microblog informou que o bug foi resolvido, mas que ainda trabalha para resolver os dandos causados por ele. Ainda de acordo com o post, os updates protegidos não foram tornados públicos pela falha no sistema.

Com a falha, o tópico "Following 0" ("Seguindo 0") era um dos mais comentados por volta das 14h em todo o mundo.
Por G1

Comentando a Veja!

Bem meus queridos, todas as semanas eu comento algumas matérias da Revista Veja.
Hoje coloco abaixo um quadro sobre homossexualidade. Não li toda a revista ainda, por isso, me resguardo quanto aos comentários mais profundos.

Este é um tema tão abordado ultimamente, que vale a pena pontuarmos estes avanços.
Além deste quadro, acabo de ler na Veja, a seguinte matéria:

Últimas notícias / Agência Estado
São Paulo
Plano de saúde terá de aceitar parceiro gay

11:03 | 10 de Maio de 2010


São Paulo - A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou que as empresas de seguro e planos de saúde do País aceitem como dependentes parceiros de casais homossexuais estáveis. A decisão foi publicada em súmula normativa na edição do dia 4 de maio do Diário Oficial da União.

Segundo a ANS, a determinação leva em consideração normas já existentes no Código Civil e na Constituição, que fala em igualdade de tratamento e “proibição de discriminações odiosas”. A intenção do órgão responsável pela legislação do setor foi dar mais clareza a regras já existentes.

“Para fins de aplicação à legislação de saúde suplementar, entende-se por companheiro de beneficiário titular de plano privado de assistência à saúde pessoa do sexo oposto ou do mesmo sexo”, explica a súmula. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Serra disse ser de esquerda. Comento!

Trecho de Veja.com
O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, disse nesta segunda-feira que, do ponto de vista das análises tradicionais, pode ser definido como um político de esquerda. Em uma entrevista à rádio CBN, o tucano defendeu o que chamou de um "estado forte, musculoso, mas não obeso". "Defendo um projeto de desenvolvimento nacional para o Brasil, com ativismo governamental", afirmou Serra.
Comento:
Bem, se analisarmos do ponto de vista tradicional, das ideologias propriamente ditas, o cara de esquerda é aquele que vai até o povo(neste caso), que defende a social-democracia, o que de fato, Serra faz. O PSDB não é um partido propriamente dito de direita, e sim, um social democrata, uma mistura de esquerda com direita. Mas nós consideramos o PSDB de direita, pois se opõem ao PT, que é declaradamente de esquerda.
Serra está preocupado em trabalhar, e não em pontuar ideologias, como faz Lula e o PT. O apoio que Lula está dando ao Irã, a Cuba, a Venezuela e a outros casos de ditadura e repressão, são considerados ideológicos da esquerda, de fato.

Lula canta vitória nas eleições

Por Veja.com. Depois comento.
Em entrevista ao jornal espanhol El País publicada neste domingo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o PT vencerá o pleito de outubro, em que será escolhido seu sucessor. "Não vejo a possibilidade de que percamos as eleições," disse. Pouco antes, porém, Lula havia admitido que, ainda que nas mãos da oposição, o país deverá seguir no rumo certo. "Ganhe quem ganhar, ninguém fará nenhum disparate; o povo quer seguir em frente."

No plano internacional, o presidente voltou a defender a manutenção das conversações com o Irã acerca do programa nuclear daquele país. Teerã vem seguidamente desrespeitando acordos internacionais e segue com um projeto baseado em energia atômica que, segundo as principais lideranças mundiais, irá desaguar em um artefato bélico. "Quero esgotar até o último minuto a possibilidade de um acordo com o presidente do Irã, para que ele possa continuar enriquecendo urânio, dando-nos a tranquilidade de que só vai utilizá-lo para fins pacíficos",disse.

Lula viaja para o Irã no final da próxima semana. Lá, pretende discutir uma "solução negociada" com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que visitou o Brasil em novembro do ano passado. Dessa forma, o brasileiro vai de encontro à posição das principais lideranças do Ocidente (Estados Unidos e União Europeia) e até de pontenciais como a Rússia, que exigem que o Irã interrompa seu programa nuclear, temendo uma espiral de violência no Oriente Médio.

O presidente aproveitou a entrevista também para criticar o que chamou de "pouca representatividade" da Organização das Nações Unidas (ONU). "Por que o Brasil não é um membro do Conselho de Segurança? Por que não a Índia? Por que não há nenhum estado africano?", questionou.

A reportagem do El País, por sua vez, chega a elogiar a "franqueza" do brasileiro. Mas o jornal espanhol lembrou que Lula está "em campanha eleitoral" e que, por isso, aproveita para "fazer propaganda de seu partido". O diário também destacou as críticas "provavelmente injustas" feitas por Lula a seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso. "O milagre brasileiro começou com Cardoso, professor respeitado e um democrata exemplar que controlou as contas públicas e venceu a inflação," pontuou o jornal.

Ao El País, Lula destacou ainda que, se o Brasil mantiver a seriedade nas políticas fiscal e monetária, além dos investimentos e do controle da inflação, "terá tudo para se transformar em uma potência respeitada no mundo". "Se a economia continuar crescendo entre 4,5% e 5,5%, em 2016 poderá se tornar a quinta economia mundial", afirmou o presidente.

Comento:
Lula apoia o imbecil do Irã à muito tempo e todos nós sabemos disso, o que muitos não sabem, é o perigo que estas atitudes de apoio representam para o cenário internacional, incluindo o Brasil.
O barbudo está dando apoio a criação de um arsenal de guerra, que será usado certamente para um ataque, já que que a visão cretina do presidente iraniano, é de que os EUA são os destruidores do mundo, assim como o capitalismo e o imperialismo, que não existe, mas eles acham que existe. A situação é muito complexa, Lula está dirigindo o país para a frente de combate, se opondo a todos os outros países, que sabem muito bem o interesse do presidente iraniano. Lula é conivente com essa palhaçada, com essa tramóia, e está colocando em risco, o meu, e o seu futuro, caro leitor. É isso que vocês querem?
E tem mais: Nosso presidente deu essa entrevista ao jornal espanhol, achando que os brasileiros não leriam, afinal, segundo ele, somos ignorantes, não somos?Este é o pensamento do populismo. Mas não presidente, nós vimos a sua lambança e melhor que isso, vimos a competência do El país em reconnhecer a proficiência do FHC e a continuidade que o governo Lula realizou. Isto é imprensa, isto é verdade.

domingo, 9 de maio de 2010

Mensalões e suas punições!

No mensalão do DEM, todos os acusados já foram afastados de seus cargos e respondem judicialmente por seus atos, certo?
E no mensalão do PT? Sabem onde estão os acusados? No comando do PT e na coordenação da campanha da guerrilheira Dilma.
Depois ainda tem gente que diz que o PT é um bom partido, fez um bom governo. Fez? Ah,é? Atenção petralhas, atenção!
Quanto mais mentiras vocês disserem de nós, mas verdades falaremos de vocês!

Leia trechos do discurso de Geraldo Alckmin

Conteúdo retirado do Blog de Reinaldo Azevedo.
“Quero dizer da minha alegria, da minha felicidade de estar aqui, no dia de hoje, com cada um de vocês, que vieram de todos os cantos do estado - do litoral às barrancas do rio Paraná; das margens do Paranapanema às do rio Grande; do Vale do Ribeira ao Vale do Paraíba; da Grande São Paulo a todo nosso Interior.
(…)
Temos também de reconhecer - com a humildade de quem procura cumprir bem com as suas obrigações e com o respeito devido ao povo que as confiou a nós -, que São Paulo é hoje um estado renovado; que o extraordinário esforço de recuperação, fortalecimento e modernização, verificado nos últimos anos, tornou São Paulo melhor, e está permitindo que o atual governo realize a maior soma de investimentos de toda a nossa história: R$ 64 bilhões, até o final do ano.
(…)
Hoje, mais uma vez, sustentamos publicamente a nossa convicção de que um governo ideal deve ter honestidade de propósitos, transparência de método, responsabilidade nas ações, justiça nas decisões, austeridade nos gastos, respeito pelas pessoas, mas que, acima de tudo, deve ter o interesse público como limite.
(…)
Futuro presidente José Serra, quero dizer, desde logo: conte comigo. Serei um soldado na sua frente de combate, na luta em direção a Brasília. Sabemos todos o quanto você é capaz, o que fez, o quanto ainda fará pelo Brasil. Todos aprendemos com sua competência e a ela somamos nossos esforços. Temos muita confiança e grandes expectativas na sua candidatura, porque ela traduz um sentimento de todos nós, brasileiros: o de que o Brasil, de fato, pode mais.

Nesta hora, em que nos é cobrada a responsabilidade de escolher a direção a ser tomada, e que urge criar as condições indispensáveis para que o nosso povo possa usufruir de um futuro com mais dignidade, oportunidades e realizações, queremos seguramente lhe afirmar: conte conosco!

Conte com os brasileiros de São Paulo nesta jornada que será vitoriosa. Haveremos de estar juntos, lutando e trabalhando, por São Paulo e pelo Brasil!

Serra, foi uma honra servir o povo paulista ao seu lado, neste último ano. Já havíamos unido esforços antes. Durante o governo do grande mestre da nossa geração, Franco Montoro, pude acompanhar, desde a Assembleia Legislativa, o seu profícuo trabalho. Mais tarde, encontramo-nos na Assembleia Nacional Constituinte, e mais uma vez, lado a lado, trabalhamos juntos na elaboração da nova Constituição. Como vice de Mario Covas, aplaudi suas ações nos ministérios do Planejamento e da Saúde. Sua passagem pela prefeitura e pelo governo de São Paulo deu-nos sólidas provas da boa gestão que desejamos para o Brasil.

Hoje, voltamos a unir os nossos esforços. Desta vez, para defender e promover uma política de desenvolvimento que seja capaz de propiciar a São Paulo e ao Brasil a oportunidade de alcançar o futuro comum de grandeza e prosperidade.

E é com esse propósito que me disponho a servir mais uma vez o povo de São Paulo. Quero, à frente do governo do Estado, contribuir para que nos aproximemos do destino de grandeza e prosperidade que São Paulo compartilha com o Brasil.

Faço isso, motivado também pela confiança que tenho merecido do povo de São Paulo e que muito me honra. Confiança que se expressa em calorosos apertos de mãos anônimas, nos lugares em que ando, e que, para mim, são ainda mais eloquentes do que as pesquisas.

Sinto, no calor e no carinho que as pessoas me trazem, uma convocação e uma enorme demonstração de apoio e de confiança. E, olho no olho, sinto que essa confiança não é fabricada por propaganda de televisão, por promessas, por planos mirabolantes de melhorar tudo para todos, de uma hora para outra, como se para isso bastasse um gesto mágico, uma varinha de condão.

Não! A confiança vem de quem já conhece e aprova o nosso jeito de trabalhar. Porque, acima de tudo, nós temos um compromisso com a verdade. E pela verdade, orientamos a nossa conduta.

Por causa dessa confiança e em respeito a ela, é que hoje renovo o compromisso que mantenho, desde que entrei para a vida pública: o de trabalhar de sol a sol para melhorar as condições de vida do nosso povo, sem perder qualquer possibilidade, por menor que seja, de fazer de São Paulo um estado mais cheio de oportunidades de trabalho, de progresso e de bem-estar para a nossa população.

Um estado mais justo, que atenda os mais necessitados, promova os jovens, respeite os idosos, valorize as mulheres - elas que têm um papel fundamental na sociedade, com sua incrível capacidade de pensar e agir pelo coletivo, de traduzir as necessidades das pessoas, de lutar pelo interesse comum, de alertar para as injustiças, de proteger e cuidar. Sempre tive as mulheres como aliadas e pretendo continuar a ter!

Já afirmei várias vezes que busco, na política, uma realização, muito mais que um reconhecimento. Uma realização que consiste em oferecer, mais do que esperança, os próprios meios para concretizá-la.
(…)
A partir dessa concepção, entendo ser necessário fortalecer os que mais precisam: o estudante carente; o trabalhador que busca emprego; o agricultor, que pelas incertezas, hesita em semear o campo; o comércio sem crédito; a indústria incipiente; sem deixar, contudo, de incentivar aqueles que buscam expandir seus negócios, diversificar serviços, realizar pesquisas, promover inovações tecnológicas, gerar renda e empregos - aqueles, enfim, que, em sinergia com o Estado, sejam capazes de criar ainda mais oportunidades em benefício de todos.

Esse é o efeito multiplicador que acredito seja função e objetivo do Estado moderno promover. O Estado deve ser indutor do desenvolvimento sustentado, cabendo-lhe dispor de todos os meios ao seu alcance para estimular o empreendedorismo, a ampliação dos postos de trabalho, a implementação da justiça social.

Para isso, é preciso cumprir o inadiável dever de assegurar serviços públicos de qualidade, educação eficiente, serviços de saúde confiáveis, segurança pública, condições dignas de moradia e transporte, apoiando, ao mesmo tempo, a criança que necessita de escola pública, o jovem que procura inserir-se no mercado de trabalho e o idoso que não deve nem merece ser excluído do convívio social.
(…)
Vamos então iniciar esta jornada. Com os pés no chão, os olhos no futuro, o espírito elevado e São Paulo no coração.”